segunda-feira, julho 26, 2010

Voltamos!

Olá! Bem, antes de retomar oficialmente com os textos e colaborações no blog do grupo, decidimos fazer este post, para além de contar as novidades, de certa maneira nos justificar pela ausência. Muita coisa aconteceu nesse período, ou melhor, não aconteceu... Muitas vezes não basta apenas ter um sonho e sim comprometimento e iniciativa. Ok, mudanças aconteceram por falta dessa iniciativa e o que era um grupo se reduziu a três pessoas. A entrada e saída de pessoas não fez o grupo se fortalecer, pois como eu disse, não houve iniciativa. Por mais que eu use qualquer outro sinônimo para não repetir, ela martela cada vez que eu lembro das coisas que acontecem...As coisas são difíceis no mundo literário, no mundo acadêmico e principalmente no mundo real. Em resumo, o Grupo Gauche de Literatura ainda existe? Existe! mesmo levando ao pé da letra seu nome (gauche - esquerdo/torto), mesmo que devagar, quase parando... em fogo brando! Nossos meios de divulgação nos fazem não querer desistir... é poder vir aqui, e ver tudo o que já foi feito, ler e reler os comentários e isso nos dá força, pra independentemente de qualquer coisa, seguir! Se o próprio Drummond diz que: "lutar com palavras é uma luta vã" e que mesmo assim "lutamos mal rompe a manhã", quem somos nós para desistir se "no meio do caminho tem uma pedra"? Sempre haverá uma pedra, uma pedra no meio do caminho... basta olhar com olhos literários... olhos de quem tem amor pelo mundo que descobriu através da leitura, da literatura!
O fanzine, nosso fanzine ou jornal como dizem alguns, vai continuar toda vez que conseguirmos patrocínio para isso. Em um momento, tempo atrás, com alguém que viu o quanto isso era importante para seu grupo de alunos, esse alguém deu a cara por nós, e dinheiro não seria mais o problema, não por um determinado tempo, e outra vez a falta de iniciativa não permitiu que se fosse adiante.É muito difícil conseguir um espaço e manter esse espaço exige ainda mais, para alguém que só escreve, organiza textos é difícil encarar o mundo real e sair pedindo dinheiro para publicação. Agora, imagine fazer tudo isso sozinha? Eu assisti uma palestra do escritor paranaense, Cristovão Tezza, ano passado, aqui em minha cidade, Foz do Iguaçu, na qual ele dizia que se você quer fazer algo pela literatura, faça sem esperar nada em troca, sem contar com ninguém, faça por você mesmo. Nem preciso dizer o quanto eu me identifiquei.Eu nunca esperei nenhuma espécie de fama ou notoriedade por estar a frente do Gauche, e digo isso de coração. Quando montamos o grupo, pensamos realmente em trocar ideias, pois os que ali estavam, se sentiam perdidos com seus textos e sem nenhuma opinião ou algo que pudesse acrescentar algo. Logo, resolvemos nos apresentar em forma de sarau, para mostrar nosso trabalho para nossos colegas de curso, que poderiam se entusiasmar e ver que escrever é bacana e ver que a existência de grupos de repente poderia fortalecer mais a instituição, e claro a literatura. Muitos me perguntam se alguma vez eu me arrependi... claro que eu me arrependo de muitas coisas que aconteceram e também pelas que não aconteceram no grupo, mas parei, analisei e vi o quanto fomos longe, o quão longe nos levou este sonho, essa gana de fazer algo... Erramos, sim, somos humanos, oras! É muito fácil sentar e somente apontar os defeitos, encher a boca pra contar cada crase mal usada ou cada vírgula fora do lugar. Ou como deveríamos ter agido em tal momento, com tais pessoas. Não tínhamos e nem temos um manual, de "como se comportar, o que falar e o que fazer, estando em um grupo literário". Eu tampouco tinha um manual de instruções de "como gerir um grupo, sem que este tenha alguma critica". Mas também me perguntam se o Gauche valeu a pena... O Gauche valeu e vale a pena, porque aquele alguém quis dar a cara por nós, porque outros ajudaram sem pedir nada em troca, (mesmo com alguns que queriam), o Gauche valeu porque acreditaram que éramos e somos capazes, pois o Gauche não mostrava e não mostra somente trabalhos dos membros, nem tampouco divulga somente coisas do grupo, o Gauche trata de apresentar a um colombiano, argentino, paraguaio alguém chamado Carlos Drummond ou Machado de Assis. O Gauche também mostra para um paranaense, a literatura de cordel, mostra para um brasileiro o que representou um Julio Cortázar ou quem é Carmen Posadas... O Gauche sempre quis agregar conhecimento, dividir o que aprendeu, mostrar, apontar, dizer: olha! tem uma entrevista com o Salvador Dalí, que dá pra saber a voz do "cara", saber o que ele teve pra dizer... além do que já fez com sua arte. O Gauche sempre vai ser isso... construir pontes, como dizia Benedetti "construir com palavras uma ponte indestrutível".
E no mais agradeço aos que passaram pelo grupo e aportaram de certa forma, em algum momento, quando ainda acreditavam nas coisas que eu expus neste texto.
Sem mais, espero que vocês entendam este desabafo e gostem do que temos preparado por aqui... como as entrevistas que peneiramos no mundo virtual, de grandes nomes da literatura nacional e estrangeira, alguns documentários e reportagens relevantes ao contexto do blog, além de dicas de filmes que saíram dos livros e ganharam cores e falas através da sétima arte!
Esperamos que gostem!

Carmen Barudi

"Foi o tempo que perdeste com a tua rosa, que fez tua rosa tão importante" O Pequeno Príncipe- Antoine de Saint Exupery.



legendas das fotos:1 e 2) Exposição de trabalhos de outros grupos literários da cidade de Foz do Iguaçu, que expomos no aniversário do Gauche... leia mais aqui e aqui!
fotos 3, 4 e 5: Por onde foi o nosso fanzine Quixote... Chiclayo no Peru, onde ganhamos dois colaboradores "internacionais", os amigos Isaias Bravo e Ronald; Universidade Estadual de Ponta Grossa com alguns de seus acadêmicos e professores da área de Letras; e essa turminha lá de Ushuaia, Terra do Fogo, Argentina! Onde também ganhamos uma colaboradora... a Laura Lencina, cujos poemas sempre estão por aqui!

11 comentários:

Anônimo disse...

Vaya me sorprendi al verme ahí en esa selección de fotos jejeje.

Gracias Amiita linda por el comentario que haces sobre mi persona (Isaías) y el de mi amigo Ronald y espero seguir colaborando con el blog en todo lo que sea posible.

Lenah disse...

Quero ver textos, poemas seu por aqui, viu? :D
Beijos :*

Salete Corrêa disse...

Fico feliz que alguns ainda tenham continuado a ideia, o Blog é mesmo interessante. Eu sei que às vezes dá desânimo, mas o importante, como vc mesma disse, é ter iniciativa. Força e sucesso!

Viste-nos: http://pontapedepartida.blogspot.com/

Rogerio disse...

agora e só esperar...os textos...estamos aguardamos...

Student Pixels disse...

Obaaaa, que maravilhoso entretenimento para meus dias :D adorei... será uma honra fazer parte do cotidiano do blog... Beijos

Rogerio disse...

textos sempre serão bem vindos...agora só esperar,,,

Anônimo disse...

Esperando os textos para ler e apreciar ;D

www.ahistoriacomoelafoi.zip.net

Mister Neurotic disse...

Olá! Eu sou brasileiro mesmo. Escrevo de Rondonópolis, sul de Mato Grosso. Participei de um grupo que infelizmente acabou por falta de união e iniciativa. Isso é triste. Mas que ótimo que vocês são como a fênix. Eu adoro literatura. Meu escritor brasileiro favorito era gaúcho. Me fez chorar várias vezes é intenso. Agradeço a Caio Fernando Abreu por ter escrito. Eu também escrevo. Sei que são coisas toscas, mas é o que gosto de fazer. Eu amo a leitura e a escrita. Boa sorte ao grupo!

Fabíola disse...

Oi. Boa tarde. Ainda não conhecia esse blog aqui. Mas muito me alegro quando vejo um blog sobre literatura, pois sou uma apaixonada por ela. Fico feliz quando vejo blogs com bons textos e, pelo visto, você parece levar mesmo a sério a literatura. Pude perceber isso pelo seu desabafo.

Olha, administrar um grupo, lidar com pessoas é complicado mesmo, sobretudo quando essas pessoas não tem o mesmo nível e comprometimento que nós. Também sei o quanto é difícil fazer um blog, deveras, decolar. A blogsfera é um ambiente hostil e egoísta onde a maioria dos blogueiros só olham para o próprio umbigo e comentam, na maior parte da vezes, de má vontade com um único intuito de deixar ali o link do seu site, como se o nosso blog fosse um mural, um aoutdoor de links alheios.

Mas, eplo que pude observar nos comentário, você me parece que conquistou algums leitores fiéis e acaba de me conquistar porque percebi em você comprometimento, o que faz gerar a presunção, em mim, que os textos aqui sejam de ótima qualidade.

se me permiteuma sugestão, por que não falar de machado de Assis. Afinal de contas, ele é o grande patrono de nossa literatura. Pelo menos, eu acho. Por que não falar de Jorge Amado com aquele vocabulário mais escrachado dele? Talvez pudesse fazer uma comparação entre o vocabulário dele e o de Gregório de Matos que era, igualmente escrachado, só que com mais classe... Talvez pudesse ser um texto interessante. Bem, são apenas sugestões....

Sucesso!

Fabíola disse...

Oi. Boa tarde. Voltei para me desculpar de alguns errinhos de digitação comentidos no comentário acima. Tchau e sucesso com o blog.

Tati disse...

Que bom saber que estão de volta!

Visitaram o Blog do Gauche...